Hoje a TV Bandeirantes realizou, em diversas cidades do Brasil, o primeiro debate entre os candidatos a prefeito. Aqui, no Rio de Janeiro, participaram o candidato à reeleição Eduardo Paes (PMDB), Otávio Leite (PSDB), Aspásia Camargo (PV), Rodrigo Maia (DEM) e Marcelo Freixo (PSOL).

Eu só peguei os dois últimos blocos, portanto, as minhas observações são restritas a esse período.

Gostem ou não do Eduardo Paes, a diferença na preparação dele para o debate em relação aos demais candidatos é enorme. Falas pausadas e ideias claras. Só podia se mexer menos.

Achei que o Freixo foi mal, parecia muito nervoso, muitas vezes com frases decoradas, o que o fazia acelerar as frases transformando-as em blocões, dificultando o entendimento. Melhorou quando falou de improviso. E poderia ter um mísero assessor para avisá-lo para ajeitar a gravata, que esteve torta durante todo o tempo que vi.

A Aspásia, além de não pentear o cabelo, teve sérias dificuldades para terminar as suas falas, o que também pode ser nervosismo. Além disso, algum assessor poderia ter arrumado alguma coisa para ela subir. A bancada parecia enorme para ela.

Já o Rodrigo Maia falou de forma clara, mas sofre de um mal antigo: achar o seu espaço. Falta-lhe carisma, mas isso não é problema. Entretanto, ainda parece estar sob a sombra do pai. Mesmo na presidência do DEM, não conseguiu deslanchar - pelo contrário, ajudou a dividir o partido e causar a cisão que criou o PSD -, agora, na sua primeira campanha majoritária, talvez encontre o seu caminho.

Otávio Leite, depois do Paes, era o político mais experiente no debate. Foi vice-prefeito e já concorreu à prefeitura também. Sofre com o tamanho do PSDB na cidade, embora a culpa também seja sua, já que, após o afastamento do Marcello Alencar, o partido é dominado na cidade há anos por Leite.

Eduardo Paes saiu-se melhor na noite de hoje, embora isso não deva provocar um crescimento nas pesquisas. O debate serviu como termômetro para os próprios candidatos e combustível para a militância.

Resta saber se Eduardo Paes irá participar dos demais. Dada a vantagem que teve hoje, é capaz que vá.