Pussy Riot protesta na Praça Vermelha em Moscou

(divulgação)


Dois julgamentos essa semana trarão importantes mensagens sobre o futuro de dois países. No Brasil, os 40 acusados do mensalão enfrentarão o STF. Se forem soltos, peço que cubram com uma lona e peçam um táxi para o Galeão para mim, por favor.

Já na Rússia controlada por Vladimir Putin, o trio feminino de punk rock, Pussy Riot, pode ser condenado a sete meses de prisão por "hooliganismo" ao protestar em uma igreja mais uma eleição de Putin com uma música que pedia à Virgem Maria que expulsasse Putin da Rússia.

As integrantes do Pussy Riot: Nadezha Tolokonnikova (esquerda), 
Yekaterina Samutsevich (centro) and Maria Alyokhina
(Andrey Smirnov/Getty Images)

Segundo as integrantes, o local foi escolhido para protestar contra o apoio da Igreja Ortodoxa Russa ao governo do ex-agente da KGB.

Embora, oficialmente, o governa defenda as acusações como forma de proteger a igreja, muitos acreditam que o governo aproveitou a oportunidade de calá-las tendo como pano de fundo  preservação da Igreja Ortodoxa.


O polêmico vídeo na igreja

(legendas em inglês)


A questão que fica é: até onde pode ir a arte? E se há um limite, até que ponto ele vale quando se trata de uma reação a um governo com muitos traços autoritários?

Daqui deste blog, vai o meu apoio ao Pussy Riot.

Links:

Comunidade pela liberdade da banda