"tic-tac...pop!"

1 - O lucro das construtoras desabou no 1º trimestre do ano (e aqui) e a previsão não é nada agradável para o próximo. Como o setor teve um boom, os custos aumentaram. Enquanto houver dinheiro fácil, tudo OK. O problema é que uma hora acaba.

2 - Mesmo com a intervenção do governo que forçou a queda dos dos juros, a busca por crédito caiu (e aqui e aqui) em abril em relação a março e à abril de 2011. O que leva ao próximo item.

3 - A inadimplência não para de crescer. É a maior em 10 anos e, em abril, cresceu em relação a março (4,8%) e em relação à abril do ano passado (23,7).

4 - A inflação (IGP-10) já chegou a 2,11% este ano. E se você contar que no acumulado de 12 meses ela está em 3,90%, os dias de 2012 está pesando bastante. E os números de maio já estão maiores que os de abril. O que também leva ao próximo item.

5 - O dólar não para de crescer e ontem o BC interveio para não ficar pior. Saltou de R$1,70 em fevereiro para ultrapassar a barreira de R$2 essa semana. Isso pesa no endividamento de algumas empresas, aumenta os custos de muitos insumos e encarece, claro, os produtos importados. Isso tudo gera ainda mais pressão na inflação. E é bom lembrar que, quando o dólar estava caindo, a Dilma e o Mantega inventaram um monte de regras para impedir a ações de "especuladores" (sic). Agora estas mesmas regras atrapalham quem quiser entrar no mercado.


A única notícia positiva é que, com as quedas artificiais dos juros, os títulos públicos ficarão mais baratos. Porém, dada as condições da economia, Mantega pode usar isso para tentar inflar novamente a economia, gerando um pouco mais de inflação. Só que isso não funcionará para sempre.