Está melhorando...


Joel anunciou durante a semana que iria de 4-4-2 para cima do Fluminense e cumpriu a promessa, embora a surpresa tenha sido a entrada de Edno no lugar do Caio.

O Botafogo foi muito superior ao Fluminense durante a maior parte do jogo, com exceção do período compreendido entre os gols. Entretanto, não foi a substituição dos atacantes que fez a diferença, mas, sim, a maneira pela qual o Botafogo encarou a partida.


Na verdade, houve, também, a mudança do Somália, que jogou à frente do Lúcio Flávio e marcando forte a saída de bola tricolor. Essa postura tática pegou Muricy e os seus comandados de surpresa, o que fez com que o Botafogo finalizasse diversas vezes no 1º tempo contra a meta tricolor, enquanto a única oportunidade do Fluminense saiu de uma bola rebatida na entrada da área que sobrou livre para o Fred, só que o atacante chutou para fora.

Na marcação individual, Leandro Guerreiro colou em Conca impedindo que o argentino pudesse organizar o meio-campo. Fahel, por sua vez, grudou em Fred e só perdeu uma disputa por azar. Danny Moraes segurou Emérson na maior parte das vezes.

Com isso, o Fluminense sentiu a falta de Diguinho, suspenso. O volante, como a torcida do Botafogo conhece, tem um bom passe e poderia auxiliar na batalha do meio-campo. O seu substituto, o estreante Belleti, esteve completamente perdido e poderia tranquilamente ter sido expulso ainda no 1º tempo pelo excesso de faltas.

Entretanto, o diferencial foi Somália. O volante roubou quatro bolas no campo adversário nos 30 minutos iniciais, pegando a defesa tricolor desprevenida - mas os atacantes alvinegros não souberam aproveitar as chances. Além disso, ainda iniciou vários ataques, sendo, acredite se quiser, o “camisa 10” do time.

No segundo tempo, após sofrer o gol, Joel tirou Fahel e colocou Caio, deixando o Alessandro mais preso ainda na defesa. Depois, para completar a rotina, saiu Lúcio Flávio e entrou Renato Cajá. E, assim como contra o Palmeiras na quinta, a saída do apoiador deu sorte e o Botafogo conseguiu chegar ao empate.

É inegável que o Botafogo evoluiu nos últimos dois jogos, principalmente a partir da metade do segundo tempo do jogo contra o Palmeiras. O time pareceu melhor distribuído e com mais vontade de vencer. As falhas na defesa continuam, embora o gol sofrido tenha saído de mais uma falha na reposição de bola do Jefferson - contra o Flamengo, no jogo do Engenhão pelo Carioca, o gol de empate também saiu de uma saída errada do goleiro.

Na semana que vem, já será possível escalar Maicosuel, mas eu acredito que ele inicie no banco. E, sem Somália, esse time perde um pouco da pegada no meio. Aposto em um 4-4-2 tradicional, com Cajá e Lúcio Flávio no meio.

É torcer para eu estar errado.


CLIQUE NA PROPAGANDA ABAIXO
E AJUDE A MANTER O SITE