Hoje, deixo um pouco de lado o futebol e passo ao basquete, mas por um bom motivo.

No Arizona, aproveitando um pouco a paranoia norte-americana, foi aprovada uma lei que considera crime a condição de imigração irregular, ou oferecer transporte ou emprego para os imigrantes sem documentação.

Para piorar, confere aos policiais um poder enorme, ao dar-lhes a prerrogativa de parar e interrogar qualquer pessoa que suspeitarem ser um imigrante ilegal – o que pode dar margem a uma onda de racismo.

Com isso, nessa quarta no Arizona, na segunda partida dos playoffs da NBA entre o Phoenix Suns e o Santo Antonio Spurs, o time da casa usará a camisa “Los Suns”, que é tradicionalmente usada em março, na noite latina.
Entretanto, ao entrar hoje em quadra com a “Los Suns”, o time da NBA se posicionará politicamente contra uma decisão estúpida e altamente controversa. O gesto, que partiu do dono do time, Robert Sarver, contou com o apoio do comando da NBA e é inédito na história da Liga. E eu também não consigo me lembrar de algum caso semelhante nos demais esportes.

Além disso, hoje é cinco de maio, uma data especial para os mexicanos, onde a cultura e a herança do México são celebradas por todos os seus cidadãos e descendentes.

É nessas horas, mais do que nunca, que dá orgulho de torcer por um time. Aqui no Rio de Janeiro, o Botafogo sempre teve uma postura de combater os roubos e desmandos da Federação, enquanto os demais times se envolviam nas vergonhas da Ferj. Hoje, o Botafogo virou mais um dentro daquele antro.

Go Suns!